Guia Torres del Paine – Roteiros e Passeios

Em frente às torres del paine

Torres del Paine – Patagônia Chilena

No Guia Torres del Paine tem todas as informações e dicas que você precisa para viajar numa aventura indescritível desse parque da Patagônia, com paisagens estonteantes e momentos únicos para ficarem na memória de sua vida. Não tem mistério, prepare sua mochila e vá viajar!

Aqui está um guia completo de informações sobre os passeios e trilhas no Parque Nacional Torres del Paine. Um roteiro fantástico nessa região da Patagônia com muitas opções de trekking e passeios, com paisagens de tirar o fôlego, para fotos memoráveis e boas lembranças para guardar o resto da vida.

A moeda local é o Peso Chileno, mas todas as referências a custos que vou fazer, coloco o preço em dólar, que é uma moeda de valor mais estável para você se basear, aí é só converter para Real pra ter a noção de custo conforme a cotação.


As Torres del Paine

Torres del Paine na verdade são as três grandes montanhas de granito em forma de torres, e que dão nome a esse parque nacional no Chile, figurando nas fotografias mais tradicionais como o ponto máximo dentre as atrações nos passeios dentro do parque ecológico. São as torres com a lagoa azul esverdeada a sua frente, formada por água de degelo em sua base. Daí o significado do nome, “paine” quer dizer “azul” na língua nativa patagônica Aonikenk.

Cada torre tem um nome individual, da esquerda para direita: Torre de Agostini, Torre Central e Torre Monzino. A torre mais alta alcança 2.500 metros acima do nível do mar.

Existem muitas opções de passeios e trilhas dentro do parque, sendo que as mais tradicionais e longas se chamam o Circuito W e o Circuito O. Veremos em um mapa de forma fácil como são essas opções de trekking que não precisam que se contrate um guia, e valem a pena para pessoas de qualquer idade que tenham o preparo físico suficiente.

Além desses circuitos completos, existem muitas opções de passeios mais tranquilos, com duração de um dia, que atendem a qualquer tipo de viajante, desde crianças a idosos.

Onde fica Torres del Paine

O Parque Torres del Paine fica na região da Patagônia, e por isso muita gente se confunde quando começa a pesquisar viagens para lá, não sabendo se fica no Chile ou na Argentina. Isso porque a Patagônia é uma região gigantesca no extremo sul da América do Sul. E é a Cordilheira dos Andes que delimita os limites entre a Argentina e o Chile.

Torres del Paine fica no Chile, na parte da Patagônia chilena. Este parque nacional é administrado pelo CONAF (Corporação Nacional Florestal), que é ligado ao Ministério da Agricultura do Governo do Chile. No site oficial você vai encontrar muitas informações (em espanhol ou inglês), mas aqui vou organizar tudo que você precisa saber para visitar o parque.

Quando ir

O parque nacional fica aberto o ano todo para visitas. O que você vai poder fazer por lá, entretanto, depende da estação do ano que escolher para visitar. No inverno muitos trechos ficam fechados por questões de segurança, devido à quantidade de neve e riscos de tempestades, sobretudo no Circuito O. Mesmo alguns trajetos no entorno do parque, que são feitos de carro, podem ser fechados, devido ao clima.

Então para aproveitar todo o potencial do lugar, as melhores épocas para ir são na primavera, outono ou verão.

As estações do ano no Chile correspondem às do Brasil, mas vamos delimitar aqui para ter uma noção mais certa do clima e temperatura de cada época.

Estações do ano no Chile

Primavera21 de setembro a 20 de dezembro
Verão21 de dezembro a 20 de março
Outono21 de março a 20 de junho
Inverno21 de junho a 20 de setembro

Primavera : do final de setembro até meados de outubro o clima ainda é bem frio, e a temperatura máxima não costuma passar muito dos 5º C. De outubro até dezembro o clima vai esquentando, e a temperatura já oscila na faixa dos 15º no final da primavera.

Verão : a temperatura no verão, obviamente, fica mais alta em geral, variando entre 18 a 25º C com alguns dias mais quentes. O clima fica mais seco, com menos umidade no ar, e chove pouco.

Outono : no outono a temperatura começa a esfriar um pouco, ficando em torno de 20º C durante o dia e caindo para perto de 16º C durante as noites. A umidade do ar já aumenta um pouco, ficando um clima menos seco, e já começa a se ver mais dias de chuvas.

Inverno : no inverno chileno, o frio é forte, e com frequência a temperatura fica abaixo de 0º C durante as noites. Nesta época, costuma chover com mais frequência, assim como já é grande a incidência de neve nos pontos mais extremos do país.

Duração do Dia

Por estar em uma região extrema, existem certas particularidades quanto à duração da luz do dia. Conforme a época, pode amanhecer mais cedo e escurecer mais tarde. Na região de Torres del Paine, o sol nasce mais cedo e se põe mais tarde no verão. Quer dizer que os dias são mais longos, amanhecendo às 5:00h e anoitecendo só por volta de 22:00h. Muito bom para aproveitar melhor os dias. No inverno é o oposto, os dias são mais curtos, o sol nasce por volta de 9:00h e já se põe lá pelas 18:00h.

Veja a tabela com os horários aproximados do amanhecer e anoitecer durante os meses e estações do ano para ter uma ideia da duração do dia.

JanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDez
Amanhecer5:006:007:008:308:459:009:309:158:007:005:204:30
Anoitecer22:0021:0020:0019:3018:4518:0018:3019:1520:0021:0021:2022:30
Dia Claro17 h15 h13 h11 h10 h9 h9 h10 h12 h14 h16 h18 h
EstaçãoVerãoVerãoVerãoOutonoOutonoOutonoInvernoInvernoInvernoPrimaveraPrimaveraPrimavera

Temporadas de Turismo

Sabendo sobre as épocas mais quentes e mais frias do ano no Chile, você começa a definir o melhor período para sua viagem de aventura. Vamos ver particularmente como funciona em Torres del Paine.

A melhor época para visitar o parque é durante a primavera e verão, ou seja, nos meses de setembro a março, quando as temperaturas são mais amenas e a frequência de chuvas é menor.

Preferimos a primavera. Isso porque nessa época, além da boa temperatura, a natureza está se renovando, e o parque fica mais verde e florido. E também, como ainda não é alta temporada (que começa no verão), os preços estão mais baratos, seja dos pacotes de passeios e tours, e mesmo dos hotéis e passagens aéreas.

O lado bom da alta temporada, no verão – apesar dos preços mais caros – é que os dias são mais longos, escurecendo só próximo das 22:00h, e dá para aproveitar mais tempo nas trilhas. Por outro lado, ocorrem com mais frequência as tradicionais rajadas de vento na região, o que pode aumentar um pouco o nível de desafio nas trilhas.

Como ir – Aeroportos

O Parque Torres del Paine é uma grande área de preservação, e não fica exatamente dentro de nenhuma cidade. Ou seja, você tem que ir até a cidade mais próxima, que é Puerto Natales, para aí então ir até o parque. Esta pequena cidadela fica a 3 mil quilômetros de distância da capital chilena, Santiago do Chile, e é uma cidade portuária, fica numa altitude de apenas 3 metros acima do nível do mar.

Em Puerto Natales, apesar de não ser conhecido, existe um pequeno aeroporto. Porém ele só funciona em algumas datas e durante a alta temporada, o que faz com que seja muito caro voar pra lá.

Então, as duas opções de aeroporto mais próximas são das cidades de El Calafate e Punta Arenas.

Punta Arenas é uma cidade chilena que fica a 248 Km de Puerto Natales, e recebe vôos internacionais que fazem escala em Santiago do Chile. Chegando por este aeroporto, você vai pegar um ônibus até Puerto Natales.

Rua de Punta Arenas caminho da praia
Rua em Punta Arenas, em direção à orla. Comércio, mercados, hotéis.

El Calafate fica na Argentina, e está a 272Km de Puerto Natales. Chegando por lá, tem que pegar um ônibus na rodoviária local com destino a Puerto Natales. Porém, perceba que você vai chegar pela Argentina, e depois se deslocar para o Chile, então vai ter que passar por todos os trâmites de fronteira e aduana desses países, o que vai fazer com que o deslocamento seja bem mais demorado.

A melhor opção em minha opinião, e foi o que eu fiz, é comprar uma passagem do Brasil para Punta Arenas, que terá escala em Santiago. E aí de Punta Arenas seguir para Puerto Natales de ônibus, o que é muito fácil. Uma passagem aérea do Rio de Janeiro até Punta Arenas ida e volta tem preço médio de R$ 1.500,00 neste momento em que escrevo o texto.

Escultura navio descobridores 1580 Punta Arenas
Na orla, homenagem aos desbravadores do Estreito de Magalhães, nos idos de 1580.

Trajetos de Ônibus

As duas principais linhas de ônibus que chegam a Puerto Natales são as Buses Pacheco e a Bus Sur, tanto se você estiver indo a partir de El Calafate ou de Punta Arenas. Os serviços são bem parecidos, o conforto dos ônibus também. Você pode escolher a mais barata ou a que tiver a viagem no horário mais adequado no seu planejamento. Aliás, você pode reservar sua passagem antecipadamente online pelo site das companhias, mas se você vai passar um dia ou dois para conhecer Punta Arenas e seus restaurantes e passeios, pode comprar diretamente nas empresas, que ficam bem na praça central da pequena cidade, de onde saem os ônibus, muito fácil.

O custo desse transporte fica em torno de U$ 10, e a viagem demora cerca de 3:30 horas saindo de Punta Arenas, ou 6 horas (e custo de U$ 22) saindo de El Calafate (por causa do trâmite de fronteira).

Claro, se você fez um plano de viagem para conhecer também atrações na Argentina, como a geleira Perito Moreno em El Calafate, então você pode chegar por lá, mas por Punta Arenas é mais rápido e fácil pra quem tem o objetivo principal em Torres del Paine.

Como ir – de carro

Você pode optar também, se estiver em uma aventura mais longa, em ir de carro. Todos os trajetos feitos pelos ônibus podem ser feitos por carros particulares, chegando até a entrada e recepção do Parque.

As melhores rotas são facilmente indicadas pelo Google Maps, e os trâmites para rodar com o carro, passar as fronteiras, etc, são os normais de qualquer trip de carro que fazemos para outros países.

Outra opção que pode ser legal caso esteja viajando com um grupo de amigos e dividindo os custos, é o aluguel de carro. Com um carro alugado você ganha mobilidade e diminuiu o tempo de deslocamentos, a espera por partidas de ônibus, e pode ficar o tanto que quiser em cada atração. Há estacionamento nos principais pontos de início das trilhas de Torres del Paine, no Refúgio Central – início da trilha pro Mirante das Torres del Paine – e na estação Pudeto – onde se pega o barco catamarã para atravessar o lago e fazer a trilha até o Glacial Grey e o Mirante Britânico. Ou seja, os principais trajetos do Circuito W.

Orla de Punta Arenas Chile
A orla de Punta Arenas. Poucas construções novas, evidencia o foco pesqueiro da região.

Em Punta Arenas, que é uma cidade menor, existem as empresas de aluguel de carros Avis e Europcar. El Calafate tem mais agências de aluguel de carros, e além da Avis e Europcar, você encontra também a Localiza Hertz, além de outras menores.

Claro, assim como de carro, é possível e é muito bacana fazer essa viagem de moto, e até mesmo de bike. A programação não muda, e os roteiros serão os mesmos, com equipamentos diferentes.

De Puerto Natales ao Parque Torres del Paine

Estando em puerto Natales, você vai precisar pegar um ônibus que o levará da cidade até a portaria principal do Parque Nacional Torres del Paine. Existem diversas empresas que fazem esse trajeto a partir da pequena rodoviária da cidade: Bus Sur, Buses JB, Buses Gómez, Buses María José, Bues Juan Ojeda. Não há diferença de qualidade, e é uma viagem curta. O preço da passagem fica em torno de U$ 10.

O trajeto de ônibus de Puerto Natales até a portaria do parque leva cerca de 1:30h a 2h, dependendo de onde você desembarcar. Isso porque, como irei explicar detalhadamente mais adiante, você pode iniciar as trilhas a partir de pontos diferentes do parque.

O Mapa de Torres del Paine

Nosso Guia Torres del Paine traz muitas informações, e é comum quem está pesquisando sobre os programas e roteiros na região ficar um pouco perdido. Eu fiquei. São muitos nomes, muitas possibilidades.

Portanto, acesse neste link o mapa completo do Parque Nacional Torres del Paine, em tamanho grande e alta resolução. Mantenha o mapa aberto em uma aba separada e vá verificando a localização dos pontos conforme for lendo este guia. Rapidamente você vai entender o esquema e ir se familiarizando com as possibilidades de trekking e passeios.

Nos posts específicos dos Circuitos completos, vou disponibilizar para download o mapa em PDF já com as indicações de pernoite durante o trekking, para você imprimir e ter seu roteiro planejado e à mão.

Onde Ficar – Hostel , Acampamento

Você já entendeu que Torres del Paine é um parque ecológico, não é uma cidade. Então já sabe que as opções de hospedagem são diferentes das encontradas em qualquer outro lugar turístico. Mas existem opções, e para todos os bolsos, das mais caras a baratas.

Hotel

Como é um parque reserva florestal, não existe oferta de hotéis especificamente dentro do parque. Para ficar em hotéis normais, o mais adequado é se hospedar na cidade mais próxima mesmo, Puerto Natales, que tem muitas ofertas de hospedagem em hotéis e hostels – albergues.

Apesar disso, dentro da área do parque existem sim opções que não são acampamentos. Se o seu bolso suporta esse gasto extra, é uma fantástica experiência.

Estilo Hotel Tradicional

O Hotel Las Torres oferece quarto para casal por valores a partir de U$ 415 a U$ 515 por diária, dependendo da temporada. Ha ainda opções de all inclusive, com refeições, passeios, open bar, excursões com guias, dentre outras facilidades. Nestes casos a diária vai de U$ 1,575 a U$ 1,705 nos quartos mais básicos. A localização do hotel é extraordinária, logo no começo da trilha para as Torres del Paine, a estrutura é linda, as acomodações são modernas e bem cuidadas. Mas o preço é um tanto quanto proibitivo para a grande maioria.

Outra opção mais em conta, apesar de menos requintadas e com tantas facilidades, são os domes do Ecocamp Patagônia. As diárias são bem caras também, por volta de U$ 400. A localização é igualmente boa, na mesma região em que fica o Hotel Las Torres. O diferencial é que os domes são estruturas tipo barracas, que fazem um confortável quarto de casal, uma acomodação confortável no meio da natureza do parque. No site oficial no link acima você pode ver mais fotos.

Estilo Hostel – Albergue

Ao longo das trilhas que compõem os circuitos de trekking, existem estruturas de hospedagem privada estilo hostel, os chamados Refúgios, com quartos compartilhados providos de beliches e banheiros coletivos (com chuveiros de água quente). Os lugares são bem limpinhos e conservados, e os quartos têm 4 beliches cada. Todos servem refeições e têm facilidades para os hóspedes, como rede elétrica para recarregar celulares e baterias de máquinas fotográficas, ambiente com calefação, roupas de cama, etc. O custo é menor do que de hotel, e maior do que acampar de barraca nos campings que ficam no mesmo local.

Veja a lista de refúgios com hospedagem paga dentro do Parque Torres del Paine:

  • Refúgio Las Torres Central : Logo no início da trilha para chegar nas Torres.
  • Refúgio Chileno : quase no final da trilha para chegar nas Torres.
  • Refúgio Los Cuernos : de frente para o Cuernos del Paine, fica no meio do Circuito W.
  • Refúgio Paine Grande : ao lado do Lago Pehoé, onde para o catamarã, no início da trilha que leva ao Glaciar Grey.
  • Refúgio Grey : A ponta oposta do W em relação às Torres, no final da trilha de subida até o Glaciar Grey.
  • Refúgio Francês : no meio do W, na trilha do Vale Francês, próximo do Los Cuernos.
  • Refúgio Serón : na parte superior direita da trilha do Circuito O.
  • Refúgio Dickson : na parte superior esquerda da trilha do Circuito O.
  • Refúgio Los Perros : no meio da descida da trilha para o Glaciar Grey.

Você pode reservar sua diária nestes refúgios com acomodações confortáveis nos sites dos administradores dos albergues. Para os refúgios Las Torres, Chileno, Los Cuernos, Francês e Serón, você tem que reservar as datas de sua diária em cada local, conforme seu planejamento de trekking, no site da Fantastico Sur. O custo é de U$ 95 a U$ 116 por diária, dependendo da temporada. As refeições, com almoço ou jantar, custam em torno de U$ 39.

Já para ficar nos refúgios Dickson, Los Perros, Grey ou Paine Grande, a reserva deve ser feita no site da Vertice. A diária é a partir de U$ 57, e as refeições por U$ 17 cada.

Acampamento

Campings Pagos

Dentro do parque, ao longo das trilhas do Circuito W e do O, existem áreas de acampamento com serviços e estrutura, como banheiros e chuveiros com água quente para banho, pequenas mercearias com enlatados, massas e molhos, ou mesmo venda de refeições e lanches.

Os locais são os mesmos dos refúgios citados acima. A diferença é que você fica na área de camping e monta sua barraca, ou mesmo pode alugar uma deles no local. Tudo isso deve ser reservado antes nos sites da Fantastico Sur ou Vertice, que administram as áreas de acampamentos pagos.

Os preços dos campings privados localizados no Circuito W e Circuito O são aproximadamente:

  • Camping Las Torres Central : U$ 9 a U$ 11 conforme a temporada.
  • Camping Chileno : U$ 9 a U$ 11 conforme a temporada.
  • Camping Los Cuernos : U$ 9 a U$ 11 conforme a temporada.
  • Camping Paine Grande : U$ 11 por pessoa.
  • Camping Grey : U$ 9 por pessoa.
  • Camping Francês : U$ 9 a U$ 11 conforme a temporada.
  • Camping Serón : U$ 9 a U$ 11 conforme a temporada.
  • Camping Dickson : U$ 9 por pessoa.
  • Camping Los Perros : U$ 9 por pessoa.

Nestes campings, você pode comprar refeições, como almoço e jantar, da mesma forma que quem fica hospedado nos refúgios. Igualmente, você tem que agendar a estadia, bem como as refeições, nos sites das administradoras Fantastico Sur e Vertice.

Campings Gratuitos

As áreas de acampamento administradas pelo próprio governo, através do CONAF, são apenas isso. Áreas em que é permitido acampar. Não têm qualquer facilidade ou conforto extra. Não têm banheiros para banho, não têm água quente. É apenas uma área limpa para você montar sua barraca, e uma área específica aonde é possível acender fogareiro para fazer suas refeições, a “cozinha”. É acampamento no sentido raiz. Apesar disso, mesmo que você prefira pagar por conforto e ficar nos campings privados, leve em consideração a localização destas áreas de acampar dentro do planejamento de trekking que você decidiu fazer com base no mapa e distâncias.

Os campings gratuitos no parque Torres del Paine são:

  • Acampamento Torres : o lugar mais próximo das Torres em que é permitido acampar.
  • Acampamento Italiano : no meio do Circuito W, na entrada do do Vale Francês.
  • Acampamento Paso : já no Circuito O, na descida antes de chegar ao Glaciar Grey.

Neste locais, apesar de não ser cobrado para acampar, apesar de ser grátis o espaço para sua barraca, deve ser feito o agendamento e reserva da data, pois há um controle para não haver super lotação. Portanto, há um limite na quantidade de pessoas que podem acampar no local. E, bom avisar, só é permitido acampar por uma noite em cada camping público, você não pode passar um final de semana inteiro no camping, por exemplo.

Para fazer reserva em um dos acampamentos gratuitos, você deve acessar o site do CONAF neste link, e no fim da página clicar em “hacer una reserva”.

Distância entre Refúgios e Campings

Nesta tabela, você confere as distâncias entre os refúgios e áreas de camping de cada pedaço do trekking em todo o parque. O tempo para completar o percurso é só uma referência, pois vai variar do seu ritmo de caminhada e tempo que vai levar apreciando o local, tirando fotos e fazendo filmagens. Veja que o tempo de trilha não é sempre proporcional à distância percorrida, porque leva em consideração o nível de dificuldade do trajeto.

TrechoDistânciaTempo Estimado
Sede Administrativa x Refúgio Paine Grande17 Km5 horas
Refúgio Paine Grande x Camping Italiano7,5 km2:30 horas
Camping Italiano x Mirante Britânico5,4 km3 horas
Camping Italiano x Refúgio Francês2 km30 minutos
Camping Italiano x Refúgio Los Cuernos5 km2:30 horas
Refúgio Los Cuernos x Hotel Las Torres11,6 Km4:30 horas
Hotel Las Torres x Refúgio Chileno5 km2 horas
Refúgio Chileno x Camping Torres3 km1:30 horas
Camping Torres x Base das Torres del Paine1,4 km1 hora
Hotel Las Torres x Refúgio Serón13 km4 horas
Refúgio Serón x Refúgio Dickson18 km6 horas
Refúgio Dickson x Refúgio Los Perros11,8 km4:30 horas
Refúgio Los Perros x Refúgio Paso8 km6 horas
Refúgio Paso x Refúgio Grey7 km5 horas
Refúgio Grey x Refúgio Paine Grande11 km3:30 horas


Agências de Viagem e Full Day

Em Puerto Natales existem inúmeras agências de viagens que vendem pacotes para turismo no parque Torres del Paine. Há pacotes que incluem o Circuito W e o Circuito O, assim como trilhas individuais e os chamados full day, passeio de um dia.

No Full Day você sai na van da empresa às 08:00h e retorna às 17:00h na maioria dos passeios, sendo levado ao redor do parque com paradas em mirantes para fotos e vistas dos lagos e montanhas, ou para um trekking de um dia. O preço cobrado pelas agências é em torno de 50 a 60 dólares, variando para mais ou menos conforme as facilidades oferecidas. Particularmente acho cansativo e improdutivo, é muita coisa para ver, pouco tempo em cada lugar e grandes distâncias a percorrer. Mas se você realmente não tem tempo para aproveitar as trilhas a pé,  e quer ter um panorama de toda a beleza natural do parque, ainda assim acho que vale a pena.

Tipo de Viagem – Família, Sozinho, em Grupo

As atrações em si no parque nacional são acessíveis para qualquer pessoa, de qualquer idade ou preparo físico. Isso porque muitos pontos no entorno são possíveis de visitar de carro ou van, e muitos trechos e trilhas não têm grande dificuldade, vi vários idosos e crianças percorrendo sem problemas. Claro que, para alcançar determinados pontos famosos para fotos, tem que encarar as trilhas que estamos destrinchando aqui, aí não tem jeito. Tem que estar com um preparo físico razoável e ter disposição de andar horas por dia.

E não se preocupe se você está pensando em ir sozinho, sem um grupo de amigos. Em todas as trilhas, o tempo todo, estarão outras pessoas, é muito movimentado. Não há qualquer risco em fazer as trilhas sozinho, a sinalização é suficiente para não se perder, e no fim das contas, vai acabar é se juntando a outras pessoas que estarão com os mesmos objetivos do dia. Ir sozinho inclusive pode ser bem legal pra você curtir as coisas a seu tempo e fazer novas amizades!

Já me perguntaram sobre ser um programa para famílias, no sentido de levar bebês de colo ou crianças pequenas. Sim, é possível curtir muitas atrações nesses casos. Mas, novamente, nas trilhas mais pesadas fica inviável carregar uma criança no colo subindo uma montanha com uma mochila de equipamentos sob vento forte. Mas não desanime, dá pra contratar diversos passeios específicos que se adequem à realidade da família, inclusive passeios de navegação pelos lagos com belas vistas.

Entrada no Parque Nacional Torres del Paine

Em todos os passeios dentro da área de preservação do parque, sejam os passeios de um dia, ou os circuitos completos, logo na entrada você terá que se cadastrar em uma recepção, onde receberá instruções e normas de conduta e pagará o ingresso de entrada. Nada complexo. O seu ônibus vai parar lá e esperar você comprar o ingresso, para depois deixá-lo no ponto de desembarque escolhido.

As instruções são passadas em folhetos com mapas e informações, e é apresentado um vídeo curto que mostra tudo que é proibido fazer dentro do parque, como acender fogueiras (ou cigarros) fora de locais estabelecidos, acampar fora das áreas específicas, etc. São regras que qualquer parque ecológico tem, não há nada exagerado pra se preocupar.

Veja o preço do ingresso para estrangeiros no Parque Torres del Paine:

Crianças até 12 anosgrátis
Adolescentes 12 a 17 anosU$ 16
AdultosU$ 32
Voucher 3 diasU$ 45

A tabela oficial vigente com preços atualizados a partir de janeiro de 2020 você encontra neste link do CONAF, com valores em pesos chilenos.

O ingresso “voucher 3 dias” é a modalidade em que você pode, por três dias seguidos, entrar no parque com o mesmo ingresso, sem pagar outra taxa. É o mesmo usado para quem vai fazer os circuitos completos de 4 ou 8 dias, você vai poder ficar no parque pelo tempo necessário para o trekking.

O Catamarã do Lago Pehoé

O catamarã é a embarcação usada para navegar as águas do lago Pehoé e atravessá-lo desde Pudeto até o Refúgio Paine Grande. A travessia dura em torno de 30 minutos com belíssimo e marcante visual. O barco tem horários fixos de partida de cada ponto.

Veja os horários do catamarã para atravessar o Lago Pehoé de Pudeto para Painde Grande:

De Pudeto para Paine GrandeDe Paine Grande para Pudeto
9:009:35
11:0011:35
14:0014:35
16:1517:00
18:0018:35

Durante a baixa temporada pode haver algum horário intermediário não disponível, consulte com antecedência quando estiver em Puerto Natales.

O que fazer em Torres del Paine

Você pode contratar um passeio de um dia com as agências locais, e existem várias opções de programação, seja visitas a pontos diversos com a van da agência, até o deslocamento para locais em que você pode fazer um trekking de algumas horas em uma parte do dia e voltar na mesma data.

Essas opções de um dia de trekking permitem conhecer pedacinhos individuais das trilhas mais longas. Recomendo só para o caso você só tenha um dia pra trekking e deseja fazer a trilha sozinho ou com amigos que estão na mesma vibe.

Programas de 1 Dia em Torres del Paine

As agências de turismo oferecem muitas opções de programação de 1 dia para fazer no parque, como por exemplo:

  • Trekking para a base das Torres – 12 horas de duração – custo de U$ 60
  • Trekking para a base Cuernos del Paine – 12 horas de duração – custo de U$ 65
  • Monte Ferrier (Cerro Ferrier) – 12 horas de duração – custo de U$ 80
  • Vale Francês – 12 horas de duração – custo U$ 124
  • Glaciar Grey (Geleira Grey) – 12 horas de duração – custo de U$ 98

Ainda tem diversas outras modalidades de passeios, como navegação nos lagos, trekking sobre geleiras, caiaque, enfim, passeios para todos os tipos de pessoas, gostos e condições. Para quem não pretende fazer circuitos grandes, mas deseja aproveitar o que o parque tem a oferecer de atrativos, veja algumas opções de passeios de 1 dia em Torres del Paine.

Trekkings Completos

Sem dúvida, os circuitos completos são a melhor forma de conhecer e aproveitar o que de melhor existe em Torres del Paine.

Claro, você vai ter que estar preparado para andar – muito! – e estar com o equipamento necessário, mas a recompensa por vivenciar essa aventura é incalculável e vale cada esforço e investimento.

Eu vou fazer uma introdução e resumo do Circuito W e Circuito O, mas você vai encontrar nas páginas específicas que vou criar para cada um, muito mais informações detalhadas, dicas, mapas e fotos.

Circuito W

Tempo necessário: 4 a 5 dias.

Pontos de passagem:

  • Refúgio Pehoé (Paine Grande)
  • Refúgio Grey
  • Volta ao Refúgio Pehoé
  • Acampamento Italiano
  • Vale do Francês
  • Mirante Britânico
  • Refúgio Los Cuernos
  • Acampamento Chileno
  • Acampamento Torres
  • Mirante Base das Torres del Paine

Este trekking leva esse nome pela forma da letra “W” em que estão as atrações conforme o mapa. Em resumo, uma das opções de roteiro para fazer o Circuito W em 4 dias pode ser:

  1. Dia 1: descer do ônibus em Pudeto. Pegar o catamarã para atravessar o Lago Pehoé. Iniciar a trilha do Pehoé até o Refúgio Grey (11km – 4 a 5 horas de trekking).
  2. Dia 2: descer a trilha de volta até Pehoé, e em seguida até o Refúgio Italiano. (18km – 6 horas de trekking).
  3. Dia 3: sair do Refúgio Italiano, subir para visitar o Vale Francês. Depois retorna passando novamente pelo Italiano e continua na trilha até o Refúgio Los Cuernos (20km – 8 a 9 horas de trekking).
  4. Dia 4: saindo do Los Cuernos, passa pelo Refúgio Chileno, sobe a trilha até a Base das Torres, e depois desce até o Refúgio Las Torres e em seguida Laguna Amarga, para pegar o ônibus de volta a cidade (30km 12 horas de trekking).

Com esse roteiro você completa o Circuito W em 4 dias. Mas ele pode ser flexibilizado, escolhendo os locais de pernoite conforme sua conveniência, ou aumentando mais um dia de trekking, fazendo o percurso em 5 dias (o que eu acho mais adequado para curtir bem, sem correria).

No tópico especial do Circuito W (em breve) vou explicar com mais detalhes as variações e possibilidades de roteiro com distâncias a percorrer e estimativa de tempo entre cada ponto. Não deixe de ler porque tem muitas dicas para aproveitar melhor.

Circuito O

Tempo necessário: 8 dias

Pontos de passagem:

  • Centro de Boas vindas – Refúgio Torre Central
  • Hotel Las Torres
  • Acampamento Selarón
  • Refúgio Dickson
  • Acampamento Los Perros
  • Camping Paso
  • Refúgio Grey
  • Refúgio Paine Grande – Pehoé
  • Acampamento Italiano
  • Vale do Francês
  • Mirante Britânico
  • Acampamento Francês
  • Refúgio Los Cuernos
  • Acampamento Chileno
  • Acampamento Torres
  • Mirante Base das Torres del Paine

O nome desse circuito vem da forma da letra “O” que você vai fazer no mapa de trilhas, que é justamente dar a volta ao redor de todo o parque, sendo necessário 8 dias para completar. Também é chamado localmente de Circuito Macizo Paine. Uma sugestão de roteiro para o Circuito O seria:

  1. Dia 1: desce na recepção próximo Refúgio Torres Central, inicia a trilha para o Acampamento Serón (13 km, 4 horas).
  2. Dia 2: Sai do acampamento Serón e segue na trilha até o Acampamento Dickson (18 km, 6 horas).
  3. Dia 3: sai do Refúgio Dickson na trilha até o Camping Los Perros (12 km, 4.5 horas).
  4. Dia 4: sai do Los Perros até o Refúgio Grey (15 km, 11 horas).
  5. Dia 5: saindo do Refúgio Gray para Pehoé (11 km, 3.5 horas).
  6. Dia 6: de Pehoé até o Acampamento Francês (9.5km, 3,5 horas).
  7. Dia 7: Acampamento Francês até Torres Central de novo (15 km, 6,5 horas)
  8. Dia 8: sai do Torres Central, trekking até a base das Torres, volta no fim do dia para o Central para pegar o ônibus de volta à cidade. (20 km, 7 horas).

O Circuito O é bem mais longo, e vai exigir mais de você. Mais disposição e mais tempo. Porém em 8 dias você vai ter uma experiência de imersão que poucas pessoas jamais terão a oportunidade de vivenciar.

Esse é só uma proposta básica de roteiro para o Circuito O, acesse o tópico específico para deste trekking completo, com informações detalhadas e diversas dicas valiosas.

O que levar

Para os passeios de um dia, ou full day, bastam roupas adequadas (calça leve, tênis ou botas resistentes, casaco corta vento) e uma mochila pequena com a comida para o lanche / almoço do dia e um garrafa de água.

Não se preocupe em levar muita água, durante as trilhas existem diversos pontos em que se pode encher sua garrafa com água de degelo extremamente limpa, e é o que todos fazem.

Para almoço o ideal são sanduíches, frutas, cereais, afinal é só um dia e você vai poder jantar quando retornar ao hotel.

Já para quem vai fazer um dos circuitos completos, obviamente a lista de equipamentos é maior e necessária:

  • Mochila cargueira
  • Barraca
  • Isolante térmico
  • Saco de dormir
  • Roupas para trocas
  • Segunda pele
  • Casaco corta vento
  • Bastões de caminhada
  • Comida

Não se preocupe com roupas muito pesadas para o frio, principalmente se você for na primavera ou verão. Você vai estar em movimento o dia todo, subindo e descendo montanhas, e mesmo andando ao lado de pedras de gelo do tamanho de prédios, vai suar. O que dá a sensação de frio mesmo são os fortes ventos característicos da região. Pra isso, eu indico que vá com uma camisa segunda pele, outra camisa leve por cima, e um casaco ou jaqueta corta vento impermeável. Vai te esquentar o suficiente, e durante as longas caminhadas você vai querer tirar e colocar o casaco várias vezes. Não leve um casaco pesado.

O calçado tem que ser confortável e resistente. Seja um tênis próprio para trekking ou uma bota, o ideal é que seja impermeável (mas não é imprescindível).

Vá com uma calça própria para trekking, dessas mais largas para facilitar o movimento e subidas em pedras, e basta uma outra para troca durante toda a trilha. É, você não vai estar o tempo todo limpinho, mas quanto menos peso levar, acredite, mais divertido vai ser.

A barraca tem que ser adequada ao clima frio, tenha atenção pois nós brasileiros normalmente temos barracas mais voltadas ao clima quente, que têm mais circulação de ar para ficar mais agradável. O mesmo vale pro saco de dormir, tem que ser um adequado para a faixa de temperatura, do tipo de 3º C a 5º C, um pouco mais quente ou menos dependendo do seu organismo e tolerância ao frio.

Para as refeições, você deve levar um fogareiro para acampamento, panela para fazer sua comida e talheres, o básico. Você vai poder cozinhar nos refúgios e campings – e somente nesses lugares, em nenhum outro ponto das trilhas é permitido acender chamas.

A comida você escolhe, dessas especiais desidratadas, macarrão, enlatadas, etc. Você é o seu chef. Só lembre que todo o peso dos ingredientes, você é que vai carregar. Nos refúgios pagos existem pequenas mercearias e você pode comprar alguns ingredientes lá, como molho de tomate, enlatados, bebidas, etc. Vou explicar melhor nos posts dos circuitos, mas saiba que é bem mais caro do que se você comprar na cidade.

É bom uma capa de chuva, durante os trekkings em todo o parque, é como se você estivesse passando por vários micro climas. Ora tá calor, ora tá frio no vento, de repente chove, dali a dois minutos abre sol. Eu levei uma calça impermeável, mas desisti de usar porque esquenta muito, e não peguei chuvas intermináveis. No máximo chovia, me molhava, daqui a pouco abria sol e em meia hora tava seco de novo.

Esta página é um guia em constante atualização e será sempre atualizada. Para quem já entendeu como funcionam os passeios em Torres del Paine, opções de trekking e locais para dormir, vale passar para uma leitura mais completa sobre o tipo de programação escohida, em suas páginas próprias:

  • Passeios Full Day em Torres del Paine
  • Circuito W
  • Circuito O

Obrigado pela visita ao Dust Adventure. Deixe nos comentários suas dúvidas no que eu puder ajudar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *